sexta-feira, 19 de outubro de 2018

Réstia




RÉSTIA

A réstia é tudo o que nos resta
e já é muito
mais do que uma nesga,

porque não nos nega.
É o que nos inflama
mas não nos cega.  

Cansada da estrada
a carne se esparrama
sobre o duro estrado

e atesta:
LUZ.




Imagem: Angela Márcia dos Santos
Texto: Guilherme Preger 

domingo, 14 de outubro de 2018

MEU AVÔ DE PEDRA





Meu avô era feito de pedra. Argila, quartzo, basalto, calcário. Morava ao sul de Alfama e, um dia, descobri que era uma das sete colinas de Lisboa. De alguns galhos que brotavam entre seus granitos, fez um ninho, onde me deitava enquanto contava histórias. Entre os penhascos de meu avô, aos poucos aprendi a voar. Ia cada vez mais longe, mais longe, até que a voz de meu avô não fosse mais que um sussurro. E por fim até que sua voz não fosse mais.
Um dia, quando voltei, já não havia meu avô. Como pode uma montanha deixar de ser? Esse segredo eu não sabia nem ele havia me contado, entre tantas histórias. O pouco que achei dele, esfarelado nos caminhos, juntei numa folha de árvore. E agora, aqui, ao sul de Alfama, conto essa história para ele.

Rodada 85
Texto: Cesar Cardoso
Foto: Márcia Magda

terça-feira, 9 de outubro de 2018

DAS PEDRAS QUE PASSAM





Das pedras que passam
Nos passos do tempo
Padrões monolíticos
No chão sonolento
Futuro e passado
Presente ao vento
Há muitas etapas
Alma em movimento
Espelhos na água
No céu, argumentos
Passagem sombria
Amor, desalento 
Maré, ribeirão
Cascalho, cimento
Vida que chega
E se vai num momento.


Rodada 85
Imagem: Rachel Amaro Mendonça
Texto: Maria Emilia Algebaile

segunda-feira, 8 de outubro de 2018

Arvore o gosto do voto





Vosso tema deve ser o gosto de paz ao outro. 
Lembre do rosto todo
Que a platina da foto envelheceu.
Não esqueça de voltar do voto,
Aquilo que a cortina tampa, também, é silêncio,
Mas não tampe a imagem da retina
De um fascista metralhando palavras de ódio
Aos que se ocupam do lugar da trena métrica
Que meça a infância desnorteada, a adolescência perdida, de certo período
Que ficou carimbado na história por uma violência geométrica.

Árvores são estâncias do tempo, bote um ramo de oliveira no quarto. 


rodada 85
 imagem: Lúcia Dias 
texto: Fernando Andrade

domingo, 7 de outubro de 2018

Prazer



 Lá longe, bem longe, o mar.
Havia um chão imenso no caminho
que fazia aumentar mais e mais a vontade.
Havia a mão da mãe, a intraduzível mão
da mãe, o céu, o alumbramento.
Havia a promessa de um prazer sem conta:
“Não há nada mais gostoso do que um mergulho no mar”.
Será?
Havia tudo isto e muito mais (lá longe, o mar)
dentro do menino: havia tudo o que ficou pra trás.


          Rodada 85       
          imagem: Walter Vinagre
         texto: Luís Pimentel


segunda-feira, 10 de setembro de 2018

CICLAGEM RÁPIDA





I.
quanto mais o tempo
passa menor é
o intervalo
entre os últimos pisos da Torre
e a queda
entre os picos do Himalaia
e uma quimera qualquer

aberração abandonada na vertigem do tornado insone

um
silêncio
sem
descanso


II.
As trombetas do delírio de todos os anjos caídos
repetem à eternidade
a mesma nota a mesma nota a mesma nota a mesma nota a mesma nota a
mesma nota a mesma nota a mesma nota a mesma nota a mesma nota a
mesma nota a mesma nota a mesma nota
a mesma
nota


III.
inspira o ar que te sufoca
cala o grito que te explode
os tímpanos
e decifra
o labirinto
nas curvas de todo o espaço-tempo



texto: Maíra Fernandes de Melo
imagem: Gloria Mota
Rodada nº 84 (invertida)

terça-feira, 21 de agosto de 2018

ROTINA


       O muro de Berlim, Troia, as torres gêmeas, Aleppo, Teresinha de Jesus.
       Quem desses reconheceu a queda, levantou e deu a volta por cima? 
       Que praga destruiu a primavera de Praga? 
      Insanos insones, celulares ligados, o que fica nos álbuns do olhar? Quem paga pra ver? E pra olhar pro outro lado? Quem elege o pior cego? 
    Baleias no Sea World trancadas em piscinas de 20 metros. E na arquibancada bandeirinhas balançam nossos filhos. 
      Parece que existe água em Marte. E ingressos para o último show de Eric Clapton. 


texto: Cesar Cardoso
Imagem: Marilene Nacaratti
Rodada invertida nº 84

domingo, 19 de agosto de 2018

campo de santana



inverno
decerto
neste espaço
quadrilátero
de sombra e esquecimento.

inverno
decerto
almas pálidas
esboçossutis
de cimento e hábito.

inverno
decerto
nesta nuvem
ecos opacos
oco universo.



Rodada 84 Invertida
Texto: Robson Aguiar
Imagem: Angela Márcia dos Santos

sábado, 18 de agosto de 2018

KAFKA COMIGO








Kafka comigo
Diz o autor a seus personagens

Um autor
atormentado
resolveu autorizar
sua própria morte
Não em vida sim na
Obra, comentou o furibundo cyborg replicante,
sobre uma obra rotunda, a sua?
digitava vermes, queijos e guizos
quando ao término da Kizumba entre autor e criaturas
viu todos os personagens saírem
do romance a falar injúrias e prejuízos
ao contendor da obra que entristecido

se evaporou baratamente no inseticida mais aerossol.



Rodada 84 Invertida
Texto: Fernando Sousa Andrade
Imagem: Rachel Amaro Mendonça