segunda-feira, 18 de maio de 2009

O infinito de depois

Imagem: André Korenblum


Quero amordaçar teus olhos
Engarrafar teu gênio
Petrificar teu riso
Como se fosse preciso
Emoldurar teu ontem
Para pendurar na minha sala.

Quero defenestrá-la
Da minha boca sem palavras
E amputar teu medo
Como se fosse parte
Da arte que desenhamos
Na parede da nossa casa.

Quero ser cova rasa
Para engolir teu corpo
Antes que me vire a cara.

Texto por: David Cohen

5 comentários:

  1. André, com suas fotos de cores fortes e saturadas, excelente retrato que capta o movimento da modelo e as suas expressões faciais.

    Um movimento congelado, que inspirou a bela poesia de David a ponto de desejar que este movimento, e seus pensamentos e sentimentos, ficassem para sempre congelados na memória e no desejo do eu-lírico.

    Mais um exemplo de excelente harmonia entre as obras fotográfica e literária. Parabéns à dupla.

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito. Cores e êxtase na imagem, palavras arrebatadoras, contrastes e intensidade. A convivência como um passado bonito de se admirar e perpetuar, como um quadro. "Engarrafar teu gênio" é genial!
    Excelente!

    ResponderExcluir
  3. Debora
    disse tudo e Guilherme também!!!

    ResponderExcluir
  4. Comunhão total de pensamentos, palavras e corpos ! Que maravilha !

    ResponderExcluir
  5. Adorei!! achei a foto maravilhosa, a expressão dessa mulher esta fantástica.O texto se encaixou muito bem na imagem.. Estão de Parabéns!!

    ResponderExcluir