quarta-feira, 17 de junho de 2009

Engatilhado

Longe e iluminado
Cintila o morro

Lânguidas luminárias

Correm por gatos silenciosos

Miam fagulham
Centenas, centelhas
Sem telhas e sem telhados
Dão voz a personagens esquecidos


Longe e iluminado
Cintila o morro

Degraus, degredos

De grados e degradados
Engradados de homens

Num balé sublimado

Se contorcem

Na coreografia da existência

Longe e iluminado

Cintilo e morro

Lírico, lógico

No replicar dos gatilhos

Miados algozes

Sonhos cortados

Uma vela se acende
Sobre um cortejo de lágrimas.

Poema de David Cohen.


Imagem mal photoshopada por Marcelo Damm, inspirada no poema de David Cohen.

6 comentários:

  1. Uau! Por essa eu não esperava! Marcelo Damm atacando de impressionista! O cara é multiuso! Se isso é uma imagem mal photoshopada não sei o que seja bem photoshopada. Não falasse, imaginaria ser uma pintura. Temos, então, um impressionismo fotográfico. Nada mal. Daria até para puxar daí - e lembrando da foto e do comentário do Bruno do Amaral, que quase classificou sua foto como artes plásticas - a discussão de até onde é fotografia e onde começam as artes plásticas. Eu não faço idéia.

    Belo poema, caro Cohen. Estava sentindo falta de referências locais.

    ResponderExcluir
  2. Marcelo, ficou bacana a variação sobre a pintura de Van Gogh que estou interpretando como uma linda associação ao "balé sublimado" da poesia. Essas cores estonteantes são sempre bem vindas e achei o título bem escolhido.
    David, a tua poesia brinca com as palavras com muita graça, como "gatos silenciosos
    Miam fagulham Centenas, centelhas" que adorei!

    ResponderExcluir
  3. Bela poesia!

    Diz muito, principalmente pra quem é do Rio e pra quem cresceu no morro.

    A imagem também está belíssima. Violenta nas cores e ao mesmo tempo muito bela, como os sentimentos que sinto por nossa cidade..

    Parabéns gente...

    ResponderExcluir
  4. A inspiração, que poema mais lindo, mais musicado... David, não sei de qual estrofe mais gostei. Todas elas trazem um pouco da realidade do morro, mas adorei os versos da segunda estrofe: "Degraus, degredos / De grados e degradados". Vem logo a imagem da escadaria do morro, das pessoas - crianças e idosos - subindo e descendo o degredo da favela.

    A imagem, parece que Marcelo Damm, para buscar inspiração, subiu o morro, foi para um terreiro de macumba e baixou o caboclo Van Gogh no danado! :D A primeira coisa que fiz foi buscar no Google uma imagem de "A Noite Estrelada" para comparar com a imagem do Marcelo. Muito boa remontagem, trazendo os traços do mestre holandês para a praia do Leblon, com as luzes do Vidigal iluminando a noite, com um misto de terror e de admiração. Lembro-me um amigo meu, estrangeiro, que ao ver a Rocinha de noite do carro, exclamou "estou vendo constelações!".

    Parabéns a ambos!

    ResponderExcluir
  5. Impressionante! O poema e a imagem se encaixam perfeitamente. Confesso que me surpreendi com o talento do David! hahaha
    Ah, Guilherme...aconteceu a mesma coisa com uma amiga estrangeira ao ver a Rocinha de noite, achei tão ingênuo que a deixei descobrir a verdade pela manhã!

    ResponderExcluir
  6. Van Gogh, Rio de Janeiro, palavras certeiras e belíssima imagem. Vocês esbanjaram criatividade. Parabéns aos dois !

    ResponderExcluir