terça-feira, 30 de junho de 2009

A musa

A musa não se usa


como se usa uma blusa.



A musa não se toca,


não se coloca.



A musa não se oferece


nem escuta prece.



A musa não se alcança,


com ela não se dança.



A musa não é música,


embora se ache única,



tampouco canção.


A musa, não.



Texto: Guilherme Preger



Fotografia: Marcos Sêmola (www.s4photo.co.uk)

10 comentários:

  1. É...zero comentários após dois dias não é mesmo um bom sinal. Teríamos sido ineficientes desta vez, Guilherme?

    ResponderExcluir
  2. Que nada, Guilherme e Marcos. Eu, p. ex., andava meio sumido, por conta de afazeres compulsórios. Ficou dez. Imagem e texto se casam para dizer o que não é a musa, eterna fonte de nossa inspiração. Até porque, se soubéssemos, ela deixaria de sê-lo ... Parabéns aos dois !

    ResponderExcluir
  3. guilherme preger6 de julho de 2009 16:22

    marcos, acho q o pessoal andou viajando. eu mesmo só pude ver o trabalho hj. gostei desta imagem imprecisa para caracterizar uma musa inefável, incorpórea. quem é a musa afinal, a que vai ou q vem, ou nenhuma das duas? acho q a musa está fora de foco mesmo e eu cada vez gosto mais de fotos fora do foco, talvez pq seja míope... um brinde à nossa participação!

    ResponderExcluir
  4. Eu, que vivo às voltas com as minhas musas, eternas ou perenes, adorei o texto! Que poesia linda, "A musa não se oferece/nem escuta prece./A musa não se alcança,/com ela não se dança."!

    E a imagem do Marcos, apesar de um primeiro momento nos causar estranheza, nos mostra uma coisa bem clara. A musa - ah, musa! - está em qualquer canto, em qualquer lugar, às vezes num breve olhar na calçada a caminho de casa!

    Não fiquem preocupados com os poucos comentários, pois vocês tiveram um grande concorrente da atenção de muitos leitores nesta semana, a FLIP! ;) Abraços e parabéns!

    ResponderExcluir
  5. Guilherme Preger, estas musas sem coração inspiraram a sua singela e leve poesia de hoje, como uma toalha de algodão bordada à mão secando ao sol.
    Marcos Sêmola, sua foto é maravilhosa... musas em toda parte e em qualquer parte, com suas belezas exteriores, interiores ou ambas. Depende da anti-partitura de cada olhar.

    ResponderExcluir
  6. Obrigado, Deborah, Guilhermes e Andre.
    Capturaram o espírito da imagem e vejo que, assim como eu, adoraram o texto.

    ResponderExcluir
  7. Se vcs demoraram a receber comentários, como li ali num dos comentários de vcs mesmos, só pode ter sido por causa da FLIP, uai! Adorei a poesia e a foto está linda linda! Gente, fala sério, ineficientes???????????? Se se pode inserir uma categoria como 'eficiência' no âmbito da arte e da poesia, vcs foram eficientíssimos e serão promovidos em breve!

    ResponderExcluir
  8. Se graças à "promoção", ganharmos mais sorrisos de satisfação nos rostos dos nossos leitores com as imagens e os textos, já ficamos desde já bastante felizes, Vivian! ;) Obrigado por este comentário tão carinhoso!

    ResponderExcluir
  9. Esse Guilherme Preger deve ter muitos amigos para receber comentários tão generosos. O poema acima é bastante fraco, bem inferior ao conteúdo do restante do blog. De resto, gostei do que li.

    ResponderExcluir