terça-feira, 9 de junho de 2009

VOZ RENITENTE

Imagem: Marcelo Damm


de dentro da mente
a voz renitente
trazia a meu lado
destino traçado
que se manifesta
podando as arestas
palavras sem cor
pro lado que for
alguém escreveu
e sei, não fui eu
a tal segurança
quando a vida cansa
mas traz a tormenta
se retroalimenta
de dentro da mente
a voz renitente
alguém escreveu
e sei, não fui eu



Texto: André Calazans

6 comentários:

  1. O processo de libertação é árduo, requer um despir-se para si mesmo, um encontro com suas vísceras, um desgaste e um embate com a voz renitente da cultura, uma escritura da qual não participamos, como se diz em "Contos Avessos".

    Parabéns aos dois por este post angustiantes e visceral.

    ResponderExcluir
  2. Boquiaberto com o desenho, quase desacordado com o texto. Que obra conjunta.
    Parabéns aos dois, de verdade. Vou lavar meu rosto com água gelada pra ver se consigo prosseguir no dia.

    ResponderExcluir
  3. Tapa na cara. Com todos os dedos. E as unhas, pois é tapa para doer mesmo.

    Termina a Segunda Rodada de forma excepcional. Isso é uma obra fantástica, é arte. É desenho que instiga o leitor a olhá-lo mais e mais, é poesia que instiga o leitor a recitá-lo.

    Muito bom. Muito bom mesmo.

    ResponderExcluir
  4. André, me sinto honrado por ter contribuído pra essa poesia tão visceral. Parabéns mesmo!!!

    ResponderExcluir
  5. Que dupla concepção fabulosa, densa e impactante! Um verdadeiro presente.

    ResponderExcluir
  6. Dupla perfeita, arte escrita e arte desenhada de forma profunda , ambos se completam no objetivo de expressar algo inexplicável, que apenas é e existe.
    Parabéns, me considero presenteada com essa obra!

    ResponderExcluir