quarta-feira, 22 de julho de 2009

Faz de conta

Imagem por: Fabiano Gummo




Ver o mundo assim; de cabeça pra baixo...

É de perder a cabeça!

Naquela tarde,
no escritório,
sobre a prancheta

Fumei charuto
Matei um homem
Transei na mesa

Roubei milhões
Perdi no jogo
Fui senador

Não poderia ser distinto o meu destino

Bater na porta
Homens de preto
Encapuzados

Os meus irmãos!

Tiro em meu peito
Meu corpo ao chão

E o brilho belo da escopeta...

Não tive filhos
Meu sangue escorre para lavar o mundo

Texto por: Alberto de Lima

8 comentários:

  1. Fabiano, a imagem é forte, impressionante, angustiante, uma pessoa sangrando como se derretesse ou vice-versa.
    Alberto, estou tentando alcançar a coerência e a fluência do texto. Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito de ambos imagem e texto, no último rimas raras, no primeiro o antropomorfismo contemporâneo.
    Abraços

    ResponderExcluir
  3. Alberto, uma das melhroes coisas que você já escreveu, na minha opinião! Simplesmente brilhante!

    Veio num momento em que eu estou com essas questões na cabeça e realmente é de perder a cabeça

    A imagem também é muito boa! Forte e diz muito, por si só.

    ResponderExcluir
  4. Simplesmente perfeito o casamento texto e imagem. Dramático como eu gosto! Parabéns!

    ResponderExcluir
  5. Sem palavras!! Texto e imagem de excelente qualidade! Parabéns aos dois!

    ResponderExcluir
  6. Poesia contemporânea, bem escrita. Nada de rimas faceis e sem valor! Muito bom Alberto! Gummo: do caralho sua imagem! E X C E L E N T E.

    ResponderExcluir
  7. PUERRA..... MUITO BOM, nossa adorei, achei os dois de uma violência e uma beleza plástica complementares. PARABÉNS!!

    ResponderExcluir