sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Barracão

Imagem por: Guilherme Quaresma




Moro lá no alto
Vivo assim, na corda bamba
Meu lar é vermelho


Texto por: Alberto de Lima

10 comentários:

  1. Guilherme Quaresma, linda foto do João-de-Barros. Será que na sua ingenuidade ele confunde um poste de energia com uma árvore? Fico triste pois com isso arrisca sua vida.
    Alberto, lendo seu texto ou poesia "Barracão" pensei em como os textos que produzimos não só mostram nossas idéias mas também alguma coisa de nós, como estamos nos sentindo quando escrevemos, se estamos criativamente generosos e se estamos disponíveis para a proposta do momento.

    ResponderExcluir
  2. Oi Deborah!

    Bem, concordo com você. Eu levei um bom tempo pra bolar este poema.

    Nem todo João de Barro é pássaro...

    Abraço,

    ResponderExcluir
  3. Alberto, não tinha pensado no joão-de-barro como uma metáfora de alguém que, como ele, "mora lá no alto, vive assim, na corda bamba e tem um lar vermelho", uma associação interessante.
    Gostei da sua resposta simpática.

    ResponderExcluir
  4. O texto seria a tentativa de um HaiKai?

    ResponderExcluir
  5. Olá Agar,

    Sim, a idéia foi criar um haikai; mas sem e referência direta à um acontecimento da natureza.

    Mas se falamos de seres humanos, estamos falando de natureza também...então, eu acredito que seja um haikai sim...

    Abraço,

    ResponderExcluir
  6. Boa tarde a todos! :) Infelizmente, tenho estado ausente nos comentários, mas tenho lido assim que posso todos os textos e visto todas as imagens já postadas!
    Alberto, a quem já mandei um email elogiando, fez um belo "haikai"... Nunca imaginei que ele pudesse com base nesta foto fazer uma associação simples e bonita de tantos "Joãos" de casas de barro, de madeira e de alvenaria que vivem no alto do morro, na corda bamba! :)
    Parabéns!
    Deborah, muito obrigado! :) Infelizmente, acho que sim, que, na ausência cada vez maior de árvores em nossa cidade, ele acabe confundindo o poste com uma árvore para construir a sua casinha de barro...

    ResponderExcluir
  7. Olha, confesso que me arrepiei ao terminar de ler o poema. Os Joões de Barro aproveitam o cenário urbano que os cerca para criarem suas casas da maneira que for possível. Sejam humanos ou pássaros.

    Lindo trabalho coletivo. Parabéns.

    ResponderExcluir
  8. muy bueno el blog !!! saludos desde Argentina.

    ResponderExcluir
  9. Adorei esse post. Já o tinha visto antes, mas comento agora. Boa foto. O texto do Alberto, fazendo crítica a partir da beleza, com sutileza, excelente, acho que o seu melhor até agora.

    Parabéns à dupla!

    ResponderExcluir