quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Além do Auto-retrato


Imagem: Marcelo Damm


Ultimamente parecia querer escapar de si mesma. O mindinho esquerdo apresentava uma pequena protuberância em sua face externa, como uma rota alternativa para a fuga; os olhos em desalinho demonstravam desejar estar em qualquer outro lugar; os mamilos apontavam cada um para uma direção, prontos para se ejetarem dali.

Aquela esfera, embora a deformasse ao aprisionar sua imagem, ajuntava-a, forçava-a contra si própria, obrigando-a a conviver consigo mesma. Presa em si. Era do que precisava. A eterna fuga do eu, os pensamentos sempre induzidos pelos estímulos externos, o dia inteiro em atividades, a interdição ao nada fazer necessário ao auto-enfrentamento. Mesmo na hora de dormir, televisão ou uma leitura se impõe, para evitar o silêncio entre o dia e os sonhos. Precisava enfrentar o medo de si, mas era incapaz de parar. Contemplar-se. Ouvir-se. Num primeiro momento olhou para sua imagem refletida na esfera. Num segundo instante viu-se dentro dela. Por fim, projetou-se para seu interior. Prisioneira naquela redoma não tinha mais o que fazer senão escutar o tal silêncio, imediatamente preenchido pelos seus traumas, complexos, arquétipos, que se manifestavam sucessivamente. Estava indefesa, nua, irremediavelmente exposta a si própria, a mais terrível juíza e carrasca. Sem escapatória, foi obrigada a dialogar com os monstros que a tinham como hospedeira. Só saiu da redoma após domá-los, quando, cessada a ameaça que vinha do âmago, não quis mais fugir dela mesma. Já do lado de fora, olhou uma última vez para a redoma e viu um simples reflexo. Recolocou-a sobre a prateleira em que sempre estivera, como simples objeto decorativo, leu por alguns minutos seu livro de xilogravura e litografia, fechou-o, sentou-se em uma poltrona próxima à janela e permaneceu em plácido silêncio nas horas seguintes.

Texto por: Renato Amado.

7 comentários:

  1. Fantástica a dupla. A imagem, certamente inspirada em Escher, está perfeita. E o texto, psicanálise pura. Muito bom mesmo !

    ResponderExcluir
  2. Nossa muito legal, amei a dupla!! A imagem está demais e o textoem combinação. Surrealista. Beijocas

    ResponderExcluir
  3. Renato, adorei o texto com seu conteúdo existencial sobre o encontro de alguem com o seu próprio objeto de pesquisa, isto é, consigo mesmo. Plenamente inspirado na imagem com a interessante e super bem feita versão do Marcelo sobre a obra de Escher, como disse o André, e que eu não conhecia mas pesquisei.

    ResponderExcluir
  4. Renato adorei o texto, seu tempo tão arrastado em tão poucas linhas, domínio de ritmo e das palavras, um instante que vale por uma vida.
    A imagem é bastante instigante, carregada de iconografia pop, além da enorme carga de virtualidade, perfeito para gerar um texto como este. Parabéns aos dois.

    ResponderExcluir
  5. Um presente do Renato pra minha imagem. Obrigado, cara! E boa viagem!

    ResponderExcluir
  6. era difícil dizer quem veio primeiro, a imagem ou o texto tal o casamento entre os dois. é até agora a dupla mais combinada de todo o site. eu achava q era rodada invertida e q o txt veio antes, mas agora o marcelo nos esclarece q a imagem veio antes. tanto faz. gostei muito da delicadeza do txt e da inventividade da imagem, tradução pop kitch de meu artista gráfico preferido, Erscher. parabéns!

    ResponderExcluir