segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Paquetá

Imagem por: Guilherme Quaresma ( Perfil )

Na água morna e suja
a gente se lavava.
E era bom. Na água escura
a gente mergulhava.
Havia óleo, lodo e mangue
sob a sombra dos coquerais
e depois o caldo de cana
era doce demais.
Tão próxima quanto distante,
suspensa no tempo era a ilha,
e era bom se perder
em suas ruas como armadilhas.
O trote dos cavalos, o cheiro da bosta,
a tarde ao passo da charrete
a sirene da barca que anunciava
a chegada do frete.
Além da baía, a cidade à espreita
era um vulto invisível
que guardava a iminência
do desejo, irreversível.
A nudez entre primos,
o banho de mangueira no quintal,
ainda não se desdobrara
a incerta consciência do mal.
Equilibrar-se na bicicleta
era um aprendizado de vida,
descer a ladeira sem freios
e estabacar-se em mil feridas,
com a pele lascada e exposta
como depois seria a alma,
era assim que se dominava
a alegria como um trauma.
Um sol que jamais obscurece
para além de suas praias
de areias brancas e mar negro,
plácida e plausível ela paira
sobre a lama e a merda. A esperança
é uma outra criança.

Texto por: Guilherme Preger

8 comentários:

  1. Preger, muito obrigado. :)
    Despedir-me deste blog (quase um "filho" meu) se torna mais doloroso e emocionante ao receber um poema primoroso como este. Talvez, se não me engano, o melhor texto teu nestas 5 rodadas que o blog tem de vida. Muito, muito obrigado por, com uma sutileza poética, tratar de lembranças pueris misturadas com a realidade cruel e suja. Suja de poluição, de maus pensamentos e de bosta de cavalo.
    Aos que tiverem curiosidade, a praia é a do porto de Fortaleza, mas tão suja e bonita como a de Paquetá (que, infelizmente, ainda não estive lá, acreditam?)
    Meus queridos amigos que fiz e que trouxe ao CLP, obrigado por todos os textos e imagens que vocês têm trazido com tanto carinho para este blog. A quinta rodada foi primorosa. Apesar de não ter tido tempo de comentar como vocês todos mereceriam, a participação de vocês foi espetacular. Parabéns a todos.
    Do amigo e fã de todos vocês, Guilherme.

    ResponderExcluir
  2. Muito gostoso esse poema, Gui. Lembranças de momentos tão simples e caros de quando se é criança, alheios a qualquer coisa, inclusive a sujeira que permeia o lugar.

    ResponderExcluir
  3. Guilherme Preger equilibrou-se na poesia com maestria, e a parte que mais me toca nesse lindo poema é "...estabacar-se em mil feridas, com a pele lascada e exposta como depois seria a alma...".
    Guilherme Quaresma, obrigada por esta imagem ensolarada! Lamento sua saída do blog!

    ResponderExcluir
  4. Deu pra sentir a falta que o Guilherme Quaresma vai fazer ao site... Mas, como disse meu amigo Guilherme Preguer, "...a esperança/é uma outra criança".
    Adorei o trabalho, e adorei a maneira com que o Preguer retratou tão bem os sentimentos de infância observados por um adulto.

    ResponderExcluir
  5. para mim foi uma honra participar da despedida do xará quaresma. não sabia q a imagem era de fortaleza onde já estive, mas não sei pq me lembrou outra época em paquetá. q bom q vc gostou xará e mais uma vez boa sorte!

    ResponderExcluir
  6. esses cara saum baos, foto boa, diferente da palhacada da de cima e uma poesia linda me lembrou da casa dos meus tios em paquetá valeu!

    ResponderExcluir
  7. Deborah e Saulo, muito obrigado!

    Xará, foi uma grande alegria antecipar a nossa parceria na 6ª rodada! A poesia também me fez voltar aos bons anos da infância... E das caravanas de domingo para a praia! :D Um forte abraço!

    "Joaum", fiquei com medo ao ver o seu nome aqui nos meus comentários, depois do que eu li no post anterior, mas fico contente que você gostou.

    Abraço a todos, Guilherme.

    ResponderExcluir