segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Liberdade?

Ele tem flertado com a mediocridade. Passeios no shopping, sexozinho
nos fins de semana, e sono, muito sono. Logo estará vendo televisão.
Tudo por causa de uma dessas mulheres de ancas largas e gestos
delicados. Ela já sabe os nomes que vai dar aos filhos. Ele ainda quer
escrever um livro. Mas alguma coisa no seu corpo, algo além da queda
de cabelos, vai conciliando o futuro com uma gravata e uma carteira
assinada. Os sonhos que restam vão morrendo a cada orgasmo. Aos poucos
ele vai descobrindo que nunca quis ser livre. Queria apenas alguém com
quem dividir a cela. As mesmas paredes que antes o oprimiam formam
agora um refúgio contra a desordem cansativa do mundo. E desde que a
doce morena permaneça ali dentro, desde que ela o envolva nos seus
braços macios, desde que ela sorria brancura e morda prazer, aquele
espaço exíguo não será mais uma prisão, mas simplesmente o seu lar.
Para que ser livre, se a busca terminou? Uma mulher para dividir a
cama, uma janela para olhar as estrelas, uma madrugada para escrever
versos medíocres, eis a súbita descoberta: tudo isso é muito melhor
que a liberdade.

Texto: Ronaldo Brito Roque



Imagem de Fabiano Gummo, inspirada no texto.

4 comentários:

  1. Gostei da concisão do txt do ronaldo q em poucas linhas disse tudo. q desenho ótimo, expressivo e caótico do fabiano gummo!

    ResponderExcluir
  2. O texto é adorável, fluente e ritmado na medida certa, em outras palavras, muito bem escrito.
    A imagem é curiosa, parece um mapa do caos com conexões indecifráveis, e são tantas as nuances do cinza que chego a ver tudo colorido!

    ResponderExcluir
  3. Fantástico (não é essa a palavra, mas se usasse a correta seria censurado)! Esse projeto tá impressionante. Excelentes resultados!!!

    ResponderExcluir