quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Sou vento, sou pedra, sou o que quero...

Qundo escrevo coloco o mundo sob a ponta do lápis;
Rabisco amores, apago dores
Sopro a fuligem dos desertos
Viro a página quando me encho de palavras

Não há nada mais profundo do que uma folha em branco;
Nada mais amplo, nada mais quieto
Ouça o vento curvando-se nas pedras
Às vezes sou esse vento
Às vezes eu sou a pedra.

Texto: Alberto de Lima
Imagem: Rudy Trindade, inspirada no texto.

5 comentários:

  1. Muito lindos, o título, a poesia e a paisagem!
    Parabéns, Alberto e Rudy.

    ResponderExcluir
  2. às vezes o vento, às vezes a pedra. q bonitos versos para pontuarem a foto do rudy q é quase uma pintura...

    ResponderExcluir
  3. O xará está certo... A foto de Rudy parece uma pinture de tão bela. Parabéns, mestre!
    Parabéns também ao Alberto, de quem sou fã das poesias dele.
    Estou respondendo aos poucos, com atraso! ;)

    ResponderExcluir
  4. Obrigado pelo carinho gente,

    A foto do Rudy casou muito bem. Realmente, parece uma pintura...

    ResponderExcluir