sexta-feira, 9 de outubro de 2009

ANDARILHO


Imagem: Fabiano Gummo



A existência, não nego,

o pensamento estima,

e um andarilho da rima

somente propõe seu ego.


Pretensão mais que legítima

que quase sempre carrego.


Porém, repercute ínfima,

e insisto, sou tão cego !


Poesia: André Calazans

7 comentários:

  1. Crítico Literário10 de outubro de 2009 11:19

    Poesia pobre. Pobre não, paupérrima. O grande problema da poesia é exatamente este: muita gente acredita que consegue escrever poemas juntando meio dúzias de riminhas infantis. Este texto depõe contra o comprometimento deste blog com a qualidade literária. A imagem prefiro não comentar.

    ResponderExcluir
  2. Esse é o grande problema de quem não faz, gostaria de fazer, mas apenas comenta... e dois erros de português em uma só linha. Dupla, composição sintética e interessante.

    ResponderExcluir
  3. Concordo com o crítico. O poema acima não é bom. Mas acredito que devemos relevar, já que o blog parece ser de escritores iniciantes.

    ResponderExcluir
  4. ... e acrescento que o blog também é frequentado por críticos eruditos, que vasculham a internet nos fins de semana para nos brindar com seus comentários construtivos por puro altruísmo. Mas, se não fosse isso, também não teria muita graça. Parabéns, Gummo, pela bela imagem.

    ResponderExcluir
  5. fabiano gummo tem sempre imagens de simplicidade onírica, meio surreal, imagens misteriosas e inquietantes. a simplicidade do poema do calazans, em sua pretensão mais q legítima, quer traduzir a estranheza do desenho sugerindo um ínfimo deslocamento do ego por uma cegueira insistente. interessante e sugestivo trabalho da dupla.

    ResponderExcluir