segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Concepção



Vídeo por: Júlio Rodrigues


Quando fez 15 anos, percebeu que os comentários eram verdadeiros. Sim, ele era a cara de seu pai. A própria imagem, rejuvenescida. Segundo amigos do homem, até mesmo compartilhavam certos traços de personalidade. A pergunta, inevitável, o assombrou no dia de seu aniversário: quando vou matar alguém?

Texto por: Daniel Russell Ribas

17 comentários:

  1. Fantástico, Julio. Arte contemporanea de primeira linha! Parabéns e muito mais sucesso!

    ResponderExcluir
  2. Video interessantissimo! Imagens e sons geniais. Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Parabéns Julinho! Como sempre um excelente trabalho visual!

    ResponderExcluir
  4. Não dá para discordar dos comentários acima. Muito bom trabalho! Cuidadoso e conceitual!

    ResponderExcluir
  5. Quem nasceu primeiro, o texto ou o video? Parabéns ao Julio e ao Ribas.

    ResponderExcluir
  6. Convidaram-me, mais uma vez, para ver o trabalho do Julio exposto nesse espaço! O mais bacana - além do conceito e de tudo o que já foi dito é, reconhecer o trabalho de um artista e sua obra. O Julio sabe o que quer mostrar. Parabéns!

    ResponderExcluir
  7. Achei o video massa. Posso estar viajando, mas curti esse formato biologico e contemplativo!!! O texto também é bem escrito. Abraço aos artistas e parabéns pelo espaço.

    ResponderExcluir
  8. O Ribas ta se especializando em textos curtos e o Julio vem se aprimorando a cada trabalho. Sucesso! Sucesso! Gostei demais desse video com a expressão artistica supondo essa linguagem de inter-relação entre imagem e espectador junto aos demais elementos que a formam.

    ResponderExcluir
  9. esta extrema concisão do ribas tem sido uma experiência super interesante para ele e para o clp. seu pequeno txt é cheio das mais insólitas sugestões dizendo mais no q não diz, txt em aberto, em q a verdadeira narrativa não está em nenhuma palavra, mas na imaginação do leitor. já o vídeo caleidoscópico sob sons aquosos e úmidos do júlio sugere as imagens mais fertilizantes: fusões de iguais ou de contrários? as obras aqui se fundem ao mesmo tempo em q se repelem: no mini-conto do Ribas um sinistro destino se insere na mesmidade da cópia genética. será q é isto q o vídeo juliano nos diz: a concepção nunca é uma fusão completa, perfeita, mas está barrada por uma impossibilidade? alguma coisa sempre impede a unidade perfeita...

    ResponderExcluir
  10. Esta obra júlio + ribas aponta um dos caminhos mais promissores para o clp: menos um site em q grandes escritores e grandes artistas colocam lá suas grandes obras e mais um espaço de laboratório de formas e temas, mais experiências q obras, mais buscas do q achados...

    ResponderExcluir
  11. O Ribas sempre escreve muito bem! Acredito, sem medo de errar, que esse é o melhor post que visitei aqui no caneta. Parabéns ao Julio pelo excelente video.

    ResponderExcluir
  12. Parabéns ao meu querido amigo Ribas pelo excelente texto. Acho que você e o Julio mandaram super bem na proposta.

    ResponderExcluir
  13. O Ribas e o Julio tão mandando super bem neste post.

    ResponderExcluir
  14. Parabéns ao Julio pelo video e ao Ribas que soube captar a proposta com verdadeira maestria!

    ResponderExcluir
  15. Eu vejo o video do Julio Rodrigues como uma arte que já começa a incorporar ao seu repertorio questionamentos bem diferentes das rupturas propostas na contemporaneidade. Seria o inicio do pós contemporaneo? Parabéns!!

    ResponderExcluir
  16. É realmente maravilhoso que uma ARTE abra leques de possibilidades e alternativas que dê esperanças de um futuro e isto porque ela trabalha com o aqui e agora, ou seja, a arte neste contexto cultural brasileiro através dos pontos de cultura. A arte ao alcance de todos. A criatividade que gerando gerações criativas, que é por excelência da natureza do ser racional. Video e texto excelente!

    ResponderExcluir