quarta-feira, 7 de outubro de 2009

A Vida é um Moinho

Imagem: Srta. K.



Todo mundo comenta como é ruim namorar atriz. Pois é, agora você imagine o que é namorar uma dançarina de cabaré. Todo dia ela é pega por trás por um cara e se derrete em seus braços, se roçando inteira. Disse-lhe que não posso mais tolerar isso, que terminaria o namoro, e ela me deu a pior resposta possível: “ok”.

- Ok!?! Como ok?
- Ok.
- Ah... ok??
- Sim, ok.
- Ok é a puta que pariu!
- Ok...
- Eu digo que tô pensando em terminar o relacionamento e você me responde ok. Por quê? Você não dá a mínima, é isso?
- Cara, gostaria de ficar contigo, mas se você não quiser, o que posso fazer?
Caminho de um lado para o outro nervoso.
- Você desdenha de nosso amor!
- Meu bem – solta um suspiro, no qual busca paciência para prosseguir –, posso viver sem namorado, mas não posso viver sem dinheiro.
- Mas você é atriz, o que você gosta mesmo é de atuar, e não de ficar se exibindo num cabaré.
- Eu preciso do dinheiro que eles me pagam.
- Você tá se vendendo.
- Olha só, meu bem, se um advogado criminalista for trabalhar com negócio civil ninguém vai criticar, por que com artista tem que ser diferente? Por que a gente, quando tá fodido, desempregado, não pode aceitar o primeiro emprego chulo que pintar, como faz qualquer profissional?
- Você tá denegrindo a arte.
- Hmhm... – lixando as unhas do pé.
- Você tá se prostituindo!
- Hmhm...
- Vagabunda!
- Ok...

Volto a andar de um lado para o outro. Tenso. Suo. Tremo. Trrrreeeemooo. Ajoelho-me aos pés da amada e, em súplica:

- O que eu posso fazer pra você largar esse emprego?
Ainda lixando as unhas do pé – Me sustenta.
Levantando, caminhando e pensando – Te sustentar... Sim... te sustentar...
Crech... crech... crech... As unhas estão ficando lisinhas... ,a desgraçada deve estar pensando.
– Vai me sustentar? Posso pedir demissão hoje mesmo.
- Te sustentar... te sustentar... – repito para mim mesmo.

Silêncio.

Novamente ajoelhado em súplica – Sim, eu te sustento, meu amor, eu te sustento! – abraço-a com força, tomo-a para mim, para que não escape.

Dois dias depois contei para um amigo que precisava dobrar minha renda.

- Dobrar é...?
- Ao menos perto disso.
- É... não é moleza...
- Pois é...
- Acho que consigo uma parada pra tu.
- Sério? O quê?
- Então, tem um cabaré com vaga.
- Cabaré... que coincidência...
- Por quê?
- Nada não. – dizia a todos que minha namorada era atriz e nada mais – Mas conta aí.
- Cara, não sei de muitos detalhes. Você tem que comparecer ao local amanhã às dez da noite.

Fui para lá. Feitas as apresentações de praxe foram logo me colocando um salto alto vermelho, batom, quilos de maquiagem e uma echarpe. Com a saída de minha namorada, decidiram colocar uma drag queen no lugar para aumentar o tom cômico da apresentação. O emprego não me agrada. Bem, a verdade crua é que sou enrabado pelo chefe no escritório de dia e roçado por um marmanjo de dois metros de músculo à noite. Mas ao menos agora minha adorada pode viver do que gosta. Atualmente está em cartaz numa adaptação do filme Calígula, no papel de irmã do imperador.


Texto por: Renato Amado.

6 comentários:

  1. caramba renato, o q precisamos ainda passar por uma mulher? adorei a foto da srta k!

    ResponderExcluir
  2. Belíssima foto! Poética, romântica... Eu realmente gostaria de entender a mente do Renato, como ele, inspirado nessa foto conseguiu escrever um texto tão bacana e tão, porque não dizer, sacana?

    É quase metalinguagem, o contraste entre a foto e o texto reproduz o alto contraste da imagem.

    Muito bom. Parabéns aos dois.

    ResponderExcluir
  3. Teu melhor texto no blog, Renato.

    ResponderExcluir
  4. Srta K e Renato vcs arrasaram.
    Belíssima foto e ótimo texto.

    Bjs,Lisa

    ResponderExcluir