segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

Diálogos platônicos contemporâneos (ou Aforismos pernósticos wikipedianos)

Imagem: Marcos Sêmola




Eram três.

Dois eram homens, a outra era mulher. Não eram exatamente amigos, mas se conheciam. Eram cultos e trabalhavam juntos no departamento de lingüística de uma universidade renomada na cidade.

Um deles havia dito que tinha algo pra comemorar. Os outros não perguntaram o que era. Fazia calor e os três tomavam chopes após o dia de trabalho, em torno de uma mesa redonda e desgastada – em cima, os restos da comida já comida. Seguiam em um papo entusiasmado sobre tabus e religião.


HOMEM 1: O segundo pecado capital é a inveja.

MULHER: Não é, não, o segundo é a luxúria, a inveja é o quinto.

HOMEM 2: Não, não, ele está certo, é o segundo. Você é árabe, não sabe nada de cristianismo.

MULHER: Sei que o cristianismo relaciona a inveja com Leviatã, o monstro-crocodilo que assombrava os navegantes europeus.

HOMEM 1: A origem latina da palavra inveja é "invidere", que significa "não ver".

HOMEM 2: Ora, mas, justamente, a inveja está em ver o que o outro tem e desejá-lo para si!

MULHER: A inveja em psicologia é estudada como formação reativa, um mecanismo de defesa dos mais fracos em relação aos mais fortes.

HOMEM 2: Mas a inveja não nasceu com a psicologia. Ela remonta a tempos antigos.

MULHER: A inveja nasceu com o homem!

HOMEM 2: Ou com a mulher...

HOMEM 1: Mas foi acentuada com o capitalismo e com o conceito de darwinismo social.

HOMEM 2: Só os mais ricos e bem-sucedidos sobrevivem...

HOMEM 1: A última palavra dos Lusíadas é Inveja...

MULHER: Eu fico verde de inveja...

HOMEM 1: E inveja tem cor?!

HOMEM 2: Foi Otelo quem disse que era verde!

MULHER: Não foi Iago?

HOMEM 2: Agora não sei...

HOMEM 1: Já repararam que as pessoas invejam sempre a riqueza, mas nunca o trabalho que a faz surgir?

MULHER: Não sei. Geralmente são os bens que provêm do acaso que provocam inveja.

HOMEM 2: Isso foi Aristóteles quem disse.


(Todos pensam)


MULHER: Já a censura é o imposto da inveja sobre o mérito.

HOMEM 2: E a inveja é a primeira a descobrir todos os méritos!


Os três riem. Pedem mais uma rodada de chope. E uma lingüiça calabresa.


HOMEM 1: E só o mudo inveja o falador.

MULHER: Khalil Gibran!

HOMEM 2: O espírito condena tudo o que não inveja.

HOMEM 1: Paul Valéry!

MULHER: Mas por que o referencial do que devemos ter está sempre no outro e nunca dentro de nós?


(Todos pensam de novo)


HOMEM 2: Essa questão ainda está em aberto. Neo-platônicos, existencialistas, marxistas, positivistas, neo-evolucionistas e pós-estruturalistas não chegaram a nenhuma conclusão.

MULHER: A inveja também pode ser o mecanismo propulsor da motivação.

HOMEM 2: Mas, se analisarmos os fatos, ela nunca é...


Já estão todos bêbados. Alguém lembra o propósito do convescote.


HOMEM 2: A gente não tinha vindo comemorar alguma coisa?

HOMEM 1: Pois é. Diga-nos o que é.

MULHER: Passei no pós-doc. Vou tirar licença. Tô indo pra Itália mês que vem.


HOMEM 1 deixa cair um copo no chão. HOMEM 2 repentinamente engasga.



Texto: Maíra Fernandes de Melo

4 comentários:

  1. Um texto bom e engraçado. Uma foto curiosa e instigante.

    ResponderExcluir
  2. Maíra, obrigado pelo texto que recheou minha fotografia. Gostei de tudo. Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. ótima combinação entre foto e txt. parabéns ao semola pelo "instante decisivo" da foto com a imagem sugestiva dos rapazes. imagem q a maíra soube combinar com inventividade. e q inveja estou tendo dela...

    ResponderExcluir