quarta-feira, 23 de junho de 2010

Soneto do Regresso

Não esperes mais o filho alegre que conheces
De vãos sorrisos e piadas sempre à boca
De olhar feliz e do amor bobo à coisa pouca
Do brilho forte e do abraço que mereces.

Esquece toda a correria pela casa
Todos os gritos gargalhados sem porquê.
Esquece toda a ingenuidade de quem vê
O mundo rosa e todo sonho ainda em brasa.

Não veja em mim apoio algum ou fortaleza
Nem o sucesso que os pais querem para um filho.
Vê teu menino, que regressa e te procura

Que a vida, mãe, não me deu mais do que tristeza
E eu já não quero estar no mundo sem auxílio
Então me aceita que teu sim já me é cura.

Texto: Saulo Medeiros Aride - 05/10/2002



Imagem: Rudy Trindade

6 comentários:

  1. puxa, afinal a poesia começa aos poucos a ganhar o clp. e o saulo nos brinda justamente com um singelo e belo soneto q se casa com perfeição com a terna e vívida imagem de rudy trindade...

    ResponderExcluir
  2. Saulo
    Obrigado pelo texto..
    na realidade, a imagem é que se casa com o texto... rodada invertida.

    ResponderExcluir
  3. O texto tem um tom drummodiano que é infalível. Mutio tocante. E a imagem! Que imagem!


    Valeu muitíssimo!

    ResponderExcluir
  4. Lindíssimo texto e uma foto que me traz belíssimas recordações.

    Parabéns a todos !! Abs,

    ResponderExcluir
  5. Adorei encontrar isso tudo!!!!
    Adoro o Rudy...
    e o JC Couto, com sua maezinha retratada... é uma das pessoas que guardarei no coração pra sempre.

    O Texto encantou igualmente.
    Parabéns!

    ResponderExcluir