sábado, 2 de outubro de 2010

Cibele



A garota nua correu em direção ao beco e eu fui atrás. Sua pele alva contrastava com as paredes escuras abarrotadas de trepadeiras. Cabelos ruivos revoltos. A ruela era tão estreita que a luz que entrava por cima era extremamente escassa, tampada pelos imensos prédios. Apressei o passo para não perdê-la de vista, ora afastando galhos que se prendiam das paredes. Pistola armada com silenciador. O chão também era de musgo. Escorregadio pacas. Clima úmido como floresta. De vez em quando a garota olhava para trás para conferir se eu ainda estava. Começou a correr feito uma lebre. Tive que correr também. Odeio metamorfos. Já tinha a perdido outras vezes. Desta vez não podia falhar. Corria ligeiro, derrapando no limo. Tentei atirar. Feito gata, saltou numa escada de metal e subiu rapidamente. Fui atrás. Perdi alguns segundos. Músculos puxados – quase distendi. Quando olhei pra cima a vi chegando à cobertura. Fui de dois em dois, ofegante, até o topo. Meu pé de vez em quando falhava no lodo. Ultrapassei janelas de apartamentos abandonados. Cheiro de ar puro em céu aberto. Na cobertura, não encontrei ninguém. Nenhum sinal da ruiva fantasma. Apenas uma inofensiva borboleta vermelha voando entre os edifícios. Atirei. Caiu feito chumbo fazendo estrondo no beco. Olhei da ponta e vi a ruiva nua, morta, lá embaixo. Parecia pintura de Gustav Klimt. Corpinho branco e cabeleira vermelha. Um grande lago de sangue escuro sobre o manto verde. Tirei meu celular do bolso de dentro do paletó e fotografei. Enviei como anexo com a mensagem: Tá Feito! – a meu contratante.

Conto: Fabiano Vianna
Conto Eletroacústico: Gilson Beck

5 comentários:

  1. Gilson, a narração ficou perfeita! Não canso de elogiar. Sombria e ofegante. Estamos de parabéns! Abração!

    ResponderExcluir
  2. ótima parceria com enredo noir de perseguição angustiante e ofegante eletroacustica sintética. mas o interessante msm foi o título, prosaico: a cibele é cibernética?

    ResponderExcluir
  3. Si, belle. Só sinto disso.
    Ainda estou sobre os efeitos das trepadeiras, dos cabelos ruivos revoltos, da arma em punho, da umidade por toda a parte, da gata a saltar, da arma que dispara, da ruiva estendida no chão...

    Mas a questão fica, é Cibele cibernética?

    ResponderExcluir
  4. Se fosse, poderíamos chamá-la de CIBERle.Ou ainda, Ciber-elle ou Ciber-ella hehe

    ResponderExcluir