quarta-feira, 16 de março de 2011

Eternidade

Imagem por Marcos Sêmola


Sal
e que se esqueça
o aquecimento global.
Luz
e que sobreviva
apenas o que seduz.

E quando os corpos
começarem a suar,
que venham as vagas,
a brisa com o odor do mar,
para que seja sempre o Agora,
como as finas sensações
dos pés sobre a areia,
como o mais doce torpor
após o dia gasto em fogo
sem esperança alheia
ao mate gelado, ao
mini-biquíni da menina,
às linhas de passe com bolas
tão leves como a vida
é na praia abstraída
da correnteza das horas,
e, aspergida, a paz
envolva a nudez das peles
como um halo, uma aura
de morna umidade
destacando-se do arrebol.  

Ela foi reencontrada.
O quê? A Eternidade.
É o mar que se foi com o
Sol


Texto por Guilherme Preger

2 comentários: