sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Rato de Praia



Rato de praia, cria da areia,
cara tão suja, vida tão feia.
Correndo livre, destino incerto,
nenhuma culpa, sem dó, nem teto.

Um dia surge, no seu caminho,
almoço grátis, molho chumbinho.
Sabor amargo, decepção,
estatelado no calçadão.

Imagem: Paulo Resende (imagem mote de Setembro)
Texto: André Calazans (texto vencedor de Setembro)

Um comentário: