sexta-feira, 9 de março de 2012

O Meu Café

O meu café é mais que líquido. O meu café é momento, é esperança que se descortina a vinte passos, ainda que frágil, retorcida, despedaçada. O meu café é sem açúcar porque a esperança é moída junto com o pó e dói um pouco. Poderia vir de aspartame, mas é que as coisas devem ser como são, sem fantasias ou ilusões, cruas, sem algo que lhes retire ou acrescente.

O meu café não se dobra e não se amua, é pó preto na água quente sem segredos, é acidez controlada, é mau hálito programado, é quase látex o meu café. O meu café é a minha força e é também a minha fraqueza, é lapso de memória o meu café. O meu café não gosta de mim e eu quase não gosto dele, mas é necessário o meu café. O meu café é pretexto, é culpa e é desculpa, o meu café é frustração e é muita frustração, o meu café é sofrimento, é mágoa e desespero, é lágrima retesada o meu café é aquilo que não se mostra, é a minha face mais invisível o meu café sou eu dentro da garrafa térmica, o coração batendo enquanto o tempo não passa, é o que eu sinto e o que eu não quero sentir o meu café é a minha tristeza, a minha fala prolixa, a conversa de elevador, é o meu descaso o meu café é a minha inércia, é a minha preguiça medrosa o meu café é o meu quase nada corriqueiro, é o meu choro e a minha súplica, é a minha raiva comedida, é o meu trabalho o meu café é exatamente isso, exatamente o que eu venho procurando no meio disso tudo o meu café, só o meu café enquanto as coisas não se decidem por mudar ou por permanecer.

O meu café é a minha pausa para decisão, e enquanto o mundo explode, a única decisão que sou capaz de tomar é sair do meio dos papéis e da mediocridade, nem que seja só por dois minutos, e ir tomar um pouco de café, o meu café.



Texto: Igor Dias.
Música: Gilson Beck.

4 comentários:

  1. Cara, a obra está MUUUUITOOOOO BOAAAAA! Adoro textos musicais como esse, e adoro café, e adorei "o meu café sou eu dentro da garrafa térmica", e adorei a sonoridade do Gilson e seu caaféééééé...! Adorei e causou um espanto aqui ao redor, assustou a todos, já afetou o mundo e os tímpanos, os assustados reagem com uma gargalhada nervosa. Parabéns à dupla, mandaram muitíssimo bem, e me deem licença porque eu vou tomar... CA!aaaféééééé... (como reproduzir por escrito a sonoridade?)

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pelos elogios, Vivian! Eu adorei a música do Gilson! Tive certeza de que ele captou "a coisa"! :)

    ResponderExcluir
  3. ahaha, eu se fosse um investidor corporativo da expo clp adquiriria esta obra e colocaria o txt do igor ao lado da maquininha de cafééééé e como som ambiente a "música" eletro-não-sei-das-quantas do Gilson. aliás, q bom ouvir o gilson de volta por aqui com esses sons inusitados. o texto do igor é ótimo e me senti totalmente dentro da garrafa térmica...

    ResponderExcluir