terça-feira, 24 de julho de 2012

Desanúvio




desanuviado chegue para observar o homem que não se esquiva por ter o corpo perfeito à proporção áurea de DaVi(nci).

é de perfeição suprema o anel de Saturno cujas crostas de gelo se desanuviam enquanto o planeta não cessa de rodar.

estertor do mais-que-perfeito efeito da Terra sólida e sem brilho restada assim após o breve desanuviar do qual não se desperta nunca.

atmosfera ainda permanece rarefeita recheada dos gases desanuviados que não se comprometem em se tornar respiráveis.

líquido e certeiro o desanúvio como se tudo que fosse estreito e pesado se tornasse leve e largo no mundo.

o diabo desanuviado de si mesmo que não chega sequer a estar no meio da rua para formar seus redemunhos costumeiros.

deus também é puro desanúvio ante o torpor da governança que vinha se impingindo de maneira beligerante e inconteste sobre os homens.

o homem também desanuvia do trabalho que não mais se obriga às custas de manter girando as mesmas engrenagens saturninas.

o homem há de ser ainda um desanúvio maior quando perceber-se só no mundo que não mais treme nem mais pulsa.

o homem também há de reconhecer a si mesmo no desanuviado mundo quando se olhar nos espelhos d’água.

o homem respira sua solidão desanuviado da perfeição extrema de si mesmo e do mundo alquebrado e belo.

desanúvio do desanúvio chegará quando vier a vírgula,

o relaxar do relaxar,

a pausa,

o homem,

o pulso,

,

,

,

,

,

chuva fértil sobre a perfeição desanuviada.





Imagem: Pacha Urbano
Texto: Igor Dias

5 comentários:

  1. Aplausos, Igor.
    De quantos desanúvios precisamos para sermos mais serenos?
    Muito bom!

    ResponderExcluir
  2. Muito bom Igor ! li várias vezes, até cair no desanúvio...
    grande abraço

    ResponderExcluir
  3. Que obra legal a de vocês dois!!!! Dá até uma tonteza. E adorei a referência aos grandes sertões e às veredas desanuviadas viadas viadas!

    ResponderExcluir
  4. nossa q viagem. adorei a cadência pausada dos versos, ou estrofes, ou parágrafos, não sei bem, entre o solene e o paródico. ambas as obras, texto e imagem, sendo uma só, de muita experimentação e liberdade de invenção. é em experimentos assim q esse site se valoriza e surpreende.

    ResponderExcluir