terça-feira, 26 de março de 2013

Um dia no escritório


Ouve só, mermão, não é isso que eu quis dizer, é só que... espera, por favor, não me interrompe, deixa eu explicar, deixa  eu te contar o que houve realmente, não foi minha intenção, nem isso... nem isso que eu quis dizer, jamais passou pela minha cabeça que... espera, eu não... peraí,  assim eu não consigo falar, calma, se coloca no meu lugar, deixa de ser radical, vê se entende meu ponto de vista, porra, é que, tá bom, tá bom, se você quer saber de fato o que eu acho, pra te falar a verdade, não foi isso tudo não, mas é que, é que, espera, porra, ah, quer saber, cansei, já deu, é quase isso mesmo que você entendeu, ou melhor, é exatamente isso que você pensou, e eu não vou ficar aqui pagando de bonzinho e compreensivo com alguém que não se enxerga, que está cagando geral, um babaca que não tem a menor condição de argumentar comigo, um imbecil completo, e calma é o caralho, agora é que você vai me ouvir mesmo, e sabe o que mais, tem muito, muito mais, eu acho realmente, eu acho sinceramente que você não é só um babaca, babaca pra você é pouco, muito pouco, seu merda, você é um bosta incompetente, um parasita que se acha melhor do que os outros só porque está sentado aí, com essa bunda flácida peidando na cadeira macia, pastando no tampo da mesa e definhando a cada dia, então foda-se, seu cretino, morre, desgraçado!!! (um peso de papel tem mil e uma utilidades...)

Música: Gilson Beck
Texto: André Calazans
Rodada 41

Um comentário: