sexta-feira, 19 de abril de 2013

Inexprimível?



- “Hoje não dá, lindinho”. Quantas vezes não escutei isso...
- Mas ela já te disse que te ama.
- Mas não foi no tom... tinha alguma coisa de errado no tom.
- E depois ela disse que é apaixonada por você e que nunca imaginou ser capaz de amar tanto qualquer coisa do universo.
- Sim, mas tinha algo de estranho... por que ela soltou a minha mão apenas quatro minutos e meio depois de dizer isso para coçar a bochecha?
- Justamente: para coçar a bochecha.
- Ninguém coça a bochecha! As pessoas coçam o tornozelo, as têmporas...
- Larga de maluquice, rapaz! Essa mulher é louca por você!
- Ela até gosta, mas não é tão apaixonada quanto eu, então minha paixão não é correspondida.
- Outro dia ela estava sem dinheiro pro ônibus e caminhou dez quilômetros pra te encontrar.
- Ela está querendo voltar pra academia, mas tá sem dinheiro. Mera desculpa para fazer exercício.
Ela chegou morta, tadinha... Fui logo lhe fazendo um escalda-pé. No início ela me olhava. Até via um sentimento em seus olhos, mas logo acabou dormindo. Preferiu dormir a me olhar. Nem viu com que paixão massageei seus pés e os beijei. Eu beijando os pés e ela dormindo!
- Você sempre duvidando...
- É, mas estou revendo isso. Olha só esse bilhete que achei na escrivaninha dela: “Eduardo, noto que minha paixão por você não é correspondida. Apesar do carinho nos seus olhos, é claro que seu sentimento por mim é muito aquém do que sinto por você. Isso me causa tamanha inquietação e mal estar que preferi acabar logo com tudo. Adeus.”

Texto: Renato Amado
Imagem: Paula Sancier
Rodada 42 - Invertida

Um comentário: