sexta-feira, 21 de junho de 2013

Amor pendular


Sabia o que sentia
Amava este amor pendular
Mas temia chegar a hora
Em que, por um dos amores,
Tivesse que, enfim, optar.
Um a cobria de ouro,
O outro a deixava nua
Para dela se fartar.
No ir e vir se despia,
Deixando um rastro de brilhos
Para poder retornar.
Não queria ir embora,
Também não queria ficar.
Quedou-se parada no tempo
Quando percebeu, já tarde,
A corda a se arrebentar.


Imagem: Marcelo Damm
Texto: Maria Emilia Algebaile

Rodada 44

Um comentário: