quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Ponta da tarde

Ponta da tarde, a noite se avizinha,
o poente do dia que termina,
é o alento do tempo,
infinita viagem.

Ponta da tarde, a noite se avizinha,
o nascente passado que fascina,
é o dito e não feito,
cristalina miragem.

Passeando no passado, logo ali,
tanta dor e alegria ainda dentro,
as lembranças de tudo que vivi...
que eu viva ainda!

É o alento do tempo,
cristalina miragem.

É o dito e não feito,
infinita viagem.



Poesia: André Calazans

Videoarte: Paula Sancier
Rodada 45 - invertida

Um comentário: