domingo, 12 de outubro de 2014

com/passos




meu tempo arqueia longe dos relógios
meus ares folem fora dos pulmões
cimento faz o voo desse pássaro
que brilha na reluz dos tubarões

se o mapa escapole pela pele
é vento quem produz os meus refrões
é vida o que remorre esse mistério
que o nada multiplica de paixões

no dentro que lá fora amanhece
o lodo do futuro desesquece
em repedaços que a cor desfia

e que precisa imprecisão fornece
esses plurais que não creem no esse
mas que se partem só pra ser poesia


imagem: Magali Rios
texto: César Cardoso
rodada 54

Nenhum comentário:

Postar um comentário