sábado, 31 de janeiro de 2015

OLHANDO AS RODAS A GIRAR




Por que seria loucura extrema
- como diziam a John Lennon –
apenas sentar e observar
as rodas girarem
e girarem e girarem?

Se há o giro do planeta
em torno do sol,
se há o vórtice veloz
da estrela em combustão
através da galáxia,
se há o retorno da crise
(desta vez para sempre)?

Se, em alguma dessas voltas,
escapar a faísca talvez
e desta impregne o fogo
iluminando alguma
possível, efêmera
lucidez?

Que permaneça a girar,
luminosa anêmona
para o olhar giroscópio vidrado
e não encham o saco.



Rodada 56
Texto: Guilherme Preger
Imagem: Magali Rios



Nenhum comentário:

Postar um comentário