quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Ela, eu, o fusca, Drummond e Noel




Ela, eu, o fusca, Drummond e Noel
(Uma crônica embrulhada em letra de canção)

Eu e ela e o fusca
e um fim de tarde
que parecia não
anoitecer jamais.
Eu e ela no fusca
entre gravetos
que nos levavam
por um caminho
que não era estrada
que não era esperança
que não era nada.
Eu e ela e no fim
do caminho tinha uma pedra
que Drummond desconhecia.
O fusca estancou na pedra
e nós estancamos no sonho
quando finalmente
chegava o entardecer
ah, o entardecer...
Abrimos as portas
e descemos para fumar
e olhar o tempo
e contemplar o mundo.
Eu cheio de amor para dar
ela mastigando palavras
entre uma tragada e outra:
A-ca-bou. Você não entende?
A-ca-bou...
Naquele dia, pela primeira vez,
o motor do fusca não pegou
e jurei não mais amar,
plagiando Noel Rosa
pela décima vez.

 Rodada nº 71
Imagem: Magali Rios
Texto: Luís Pimentel


Nenhum comentário:

Postar um comentário